Big Brother Brasil


            Eu assumo sem vergonha e sem medo de ser feliz que assisto ao BBB 10, todo santo dia. Assumo que eu vejo os 20 minutos de exibição ao vivo após a apresentação diária da rede Globo no canal Multishow, assumo que me arrependi de não ter comprado o pacote pay-per-view do BBB10, assumo que entro no site do programa para ver o que está acontecendo na casa e que fico votando várias vezes no candidato que eu desejo que seja eliminado.
            Quando digo isso as pessoas me questionam se eu assisto para analisar o comportamento dos participantes ou se estou estudando as técnicas de manipulação dos candidatos, eu assumo que faço isso, mas a minha razão de assistir é por que gosto mesmo do programa e principalmente essa edição, é a primeira vez que eu acompanho desde o começo e com tamanha freqüência, mas o engraçado nisso tudo é que quando assumo que eu realmente gosto do programa, as pessoas me criticam, fazem biquinho e dizem: - Não sei como você consegue assistir aquela porcaria.
            Como é fácil criticar os outros e não perceber que fazemos as mesmas coisas, as pessoas falam mal de quem assiste a este reality show, mas, no entanto, não percebem que a elas não são acrescido nada quando assistem a qualquer novela, como a Tempos Modernos ou a Caminhos do Coração, esquecem que para se divertir não é preciso apenas programas cultos. Diversão é tão simples que não deveria ser rotulada.
            Tenho amigos que vivem mandando um email sobre um texto de um professor de uma universidade renomada no qual ele critica a maneira como esse programa aliena as pessoas.
            Por falar em alienação podemos também incluir Copa do Mundo de Futebol e as Olimpíadas, enquanto se fala de futebol o povo se esquece dos problemas, o transcorrer da vida muda, só fala e se respira esses eventos, não existe mais fome, não existe mais discriminação, não existe mais mazelas essas coisas formam o fundo enquanto a Copa do Mundo e as Olimpíadas passam a ser as figuras de primeiro plano.
            Isto me faz lembrar uma estratégia de governo romano, a política do pão e circo, o governo romano para acalmar, entenda alienar, o povo dava pão para eles ficarem com a boca cheia e não reclamarem e proporcionava muitas lutas entre gladiadores, tigres e cristãos, a massa adorava se entretinha.
            Não sou contra esses eventos esportivos pelo contrário, são eventos bonitos, mas não posso esconder a característica alienante que eles possuem. Ingressos caríssimos para assistir uma partida de futebol ou outro esporte olímpico.
            Antes de falarmos do outro é preciso que olhemos para nossas próprias atitudes e escolhas, há quem não goste de BBB por que o acha fútil, concordo, mas ao mesmo tempo essas pessoas gostam de Hermes e Renato e Tela Clash, nada contra também gosto, mas futilidade por futilidade viva a diversidade de lazer.


           



.

1 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá San
Você tem toda razão, cada um faz quilo que gosta e que lhe dá prazer, rotular as pessoas pelo seu gosto é a ditadura da intelectualidade que se acha detentora do bom gosto.
Grande abraço