Adocica, meu amor, a minha vida ô



Doce

                Há pessoas que gostam de comidas salgadas, há pessoas que gostam de comidas picantes, há pessoas que gostam de abacate e há pessoas que gostam de doces que é na grande maioria, as crianças. Não sei por que as crianças adoram comer doces, mas procurar saber o porquê de se gostar de comer doce deve ser muito chato, o bom mesmo é comer o doce, no entanto eu não sou fã de todo tipo de doce, eu gosto do doce que não é muito doce, gosto do doce que é meio doce, nem de mais e nem de menos.
                Outro dia eu inventei de fazer um doce, uma tal de espuma rosa, consegui seguir a receita direitinho nem de mais e nem de menos, só que quando ficou pronta ninguém quis comer, melhor dizendo, ninguém quis comer mais da sobremesa, até a Gabi, minha filha não quis comer o dela todo e olhe que a menina é um Diabo da Tasmânia miniatura, come de tudo, e foi justamente pelo fato da comida ser muito doce.
                O que quero dizer é que as coisas que são boas são relativas, relativas? Como assim? Há parâmetros para tudo, um limiar para sabermos quando uma coisa é boa ou não, por exemplo, na ditadura ops na democracia estética em que vivemos o doce é um vilão, que o bom é alface, rúcula- mesmo não sabendo o que venha ser- tofu, e tudo que seja de baixa caloria.
                Quem foi que disse que o doce é um vilão? Será que a indústria da moda e da estética é diabética? Quem foi que disse que se comer aquele bolo de chocolate uma vez na semana vai te matar? Ou quem foi que falou que tomar aquela taça de sundae com cobertura e chocolate granulado vai transformar você em um monstro?
                Todos esses parâmetros que nos imputam e emputecem( não sei se existe essa palavra) foram dito por quem? O problema não é comer um ovo frito com queijo ralado e bacon e coca cola, ou aquela macaxeira com charque gorduroso, nossa que fome me deu agora, o problema é que não paramos para pensar o que nos deixa felizes, o que nos satisfaz, apenas seguimos e não refletimos que podemos uma vez ou outra comer essas coisas e não nos enchermos de culpa.
                Esse “regime” persecutório e bulímico nos torna, quero dizer, torna você cara leitora alienada, apenas comendo o que as revistas de moda indicam e para quê? Só para fazer você entrar num modelo cristalizado e apertado e cada vez mais sufocante.
                Sabe por que as crianças gostam de doces? Elas gostam de doces por que elas ficam felizes, não pelo fato do doce ser gostoso, até por que há salgados que são deliciosos, pergunta pra Gabi se ela rejeita algum salgadinho? O fato de elas gostarem de comer doces é por que elas satisfazem suas vontades sem culpa.
                Nunca pensei em comer como algo cheio de culpa. Aprendi que comer é bom, minha mãe, minhas avós e minhas tias, me entupiam de comida, mas o que vejo hoje em dia é que as mães, não todas, estão fazendo de suas filhas de animais de estimação. As crianças não estão comendo aquilo e sim aquela, aquela quantidade de calorias permitida diariamente.
                Quando eu era criança a minha maior preocupação era não ter cáries, hoje em dia a maior preocupação dos pais é não ter seus filhos obesos, é a outra ponta do espectro, de um lado temos mini anorexas e do outro mini obesos.
                Então o que está acontecendo? O que está acontecendo é que os pais não mais sentam na mesa para comer, com seus filhos, sentam em frente a televisão, mastigam de boca aberta, e comem qualquer coisa, sem falar que o parque de diversão das crianças de hoje em dia é virtual, hahaha.
                O problema que vejo hoje em dia não é o que comemos, nem o quanto comemos, o problema é o parâmetro que estamos usando para comer, para dormir, para diversão, para fazermos nossas atividades.      É tudo uma questão de limite que estamos perdendo, preciso e precisamos resgatar o limite do que é bom para nós com o objetivo de sermos felizes independente do que nos obriguem!
                Não é o que entra pela boca que contamina o Homem (corpo), mas o que sai da boca, isso é que o contamina. (Jesus Cristo Mateus 15:11)

.

3 comentários:

Anônimo disse...

Adoreeii Iata, realmente, hj em dia o povo eh cheio de frescura, devemos comer sim, com moderação e sem neurose!! A vida é tão curtinha para vivermos preocupados com bobagem.

Eduardo P.L disse...

Iata,

obrigado por seguir o Varal.
Seu blog, que não conhecia, é muito. Voltarei!
Forte abraço

Lacobos disse...

Somos frutos dos tempos e termos extremos!

Uacht!

http://dadonanet.blogspot.com