Tu não passas de um cogumelo!

       Este livro é também um teste. o verdadeiro desenho número 1. Se não o quiseres compreender, se não te interessares pelo seu drama, aqui fica a sentença do Príncipe: - "Tu não és um homem de verdade. Tu não passas de um cogumelo!" (Prefácio do livro o Pequeno Príncipe)
            Outro dia eu fiquei brincando de pirata com a minha filha até quase 2 horas da madrugada e você deve está pensando que minha casa deve ser um caos e que deixo fazer tudo o que ela quiser, não é? Se você pensou isso você está redondamente enganado sempre tento dá limites a ela só que neste dia eu resolvi extravasar e liberar de vez a minha criança interior, afinal só foi uma vez que eu permiti que ela dormisse tarde, só sei que me diverti muito com ela e até hoje ela comenta, isso foi uma semana atrás.
Mas toda vez que penso na palavra lúdica a primeira coisa que associo é a criança, ser criança é bom demais, é fácil demais, é leve demais. Só que eu só percebi isso agora, depois de me tornar adulto, porém ser adulto tem lá as suas vantagens, algumas poucas, mas têm, porém ser criança é melhor, mesmo com toda ausência que algumas delas têm dos pais ou de estar na mira de algum pedófilo, esses lobos em pele de cordeiro.
E quando eu me lembro da minha infância lembro com um carinho e nostalgia, pois eu via o mundo como um mundo de fantasias, um mundo de possibilidades, quando criança o meu sonho era ser cientista, queria inventar fórmulas mirabolantes, veículos maneiros e que me levassem a uma aventura inesquecível.
Hoje eu sei da importância do brincar para a criança e aprendi o quanto é estruturante e também o quanto é chato um adulto falar sobre brincar, adultos ficaram cegos, esqueceram do que é importante na brincadeira é a diversão, aprendi na faculdade que através do brincar a criança está elaborando e ensaiando suas relações sociais, também está treinando para ser adulto e treinando para ser adulto é a mesma coisa que treinar para ser chato e esse texto está muito chato.
Por que será que adulto tem essa mania quase que infalível de complicar as coisas? Por que será que ao nos tornamos adultos, ops corrigindo, Porque será que alguns adultos quando se tornam adultos sofrem amnésia?
Esquecem que ser criança é a mais pura diversão, e ao invés de estimular a criatividade delas, tolhem. Hoje em dia eu posso dizer que adoro criança, graças a Gabi, minha filha, eu na verdade não estou preocupado, quero dizer não estou tão preocupado com o brincar dela, com a parte técnica ou adulta ou chata do conceito de brincar, estou mais interessado é em me divertir, eu adoro ficara brincando com ela toda vez que eu posso, também não vou dizer que brinco com ela direto, afinal sou adulto e adultos são muito “ocupados” (chatos).
Durante o meu trabalho eu tento brincar o máximo que eu posso, também sei que há momentos em que não é possível brincar, mas brincar deixa tudo mais leve, brincar não deixa que se fique com a cara franzida, não deixa que você adoeça.
Adulto que brinca permite que a sua criança interior saia, há comunicação com o seu eu interior, permitindo que se torne um adulto mais sensível e compreenda o mundo melhor. Acredito que todos nós brincássemos mais haveria menos guerra, haveria menos desigualdade e mais solidariedade.
Acredito que nas universidades pelo menos 30% do corpo docente deveria ser composto de crianças, para que a nossa mente pudesse expandir; enxergar o mundo de uma maneira diferente, o que eu quero dizer é que temos muito mais a aprender com as crianças do que elas com têm a aprender comigo ou com você.
Acredito que o segredo da nossa evolução está na simplicidade. É voltando às nossas origens que poderemos entender melhor as coisas e nos harmonizar com o universo.
Aummmmmmm! Hahahaha
As pessoas grandes aconselharam-me deixar de lado os desenhos de jibóias abertas ou fechadas, e dedicar-me de preferência à geografia, à história, ao cálculo, à gramática. Foi assim que abandonei, aos seis anos, uma esplêndida carreira de pintor. Eu fora desencorajado pelo insucesso do meu desenho número 1 e do meu desenho número 2. As pessoas grandes não compreendem nada sozinhas, e é cansativo, para as crianças, estar toda hora explicando. ( O Pequeno Príncipe)
.

2 comentários:

Karina Kate disse...

Acho que muitos de nós deixamos nossas carreiras artísticas quando pequenos. Eu mesmo abandonei meu lego, hoje poderia ser uma arquiteta! rs

Iata San disse...

e eu poderia ser um ninja! hahahaha